segunda-feira, novembro 21, 2005

O retorno à dialéctica

O individualismo e o estatismo acabam por chegar aos mesmos resultados e partem das mesmas premissas. Os estatismos (hegeliano e comunista) dissolvem a sociedade no Estado, fazendo desaparecer a diversidade numa unidade transcendente, a pluralidade dos grupos na centralização. Assim, acabamos por ver apenas nas comunidades sociais um indivíduo em ponto grande. Só se distinguem do individualismo porque aumentam o tamanho do indivíduo. Dado que a vontade do Estado substitui os laços sociais, o “estatismo económico” é apenas um “super-individualismo”.
A mesma demonstração é válida para o individualismo. Este esquece que “fora da sociedade, o homem é uma matéria explorável, um instrumento, por vezes um móvel incómodo e inútil, mas não uma pessoa”. Assim, o individualismo, “pronto a sacrificar tudo à pessoa, mata-a de facto e chega aos mesmos resultados que o estatismo”, que é a condenação irrevogável de ambos.

[Palavras de Proudhon citadas por G. Gurvitch in Proudhon e Marx]

0 Comments:

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

Site Counter
Bpath Counter

fugaparaavitoria[arroba]gmail[ponto]com