terça-feira, abril 25, 2006

Putos de Abril


As primeiras memórias que tenho do dia 25 de Abril são cheias de cor. Recordo o colorido desses dias sempre solarengos. Pequenos pontinhos vermelhos brotavam por todos os poros do bairro. Pendiam dos vasos que enchiam as varandas e as marquises. Irrompiam das minúsculas hortinhas que polvilhavam as inúmeras ilhas de terra que iam resistindo à construção. Erguiam-se em cada lapela como se fossem troféus. Logo de manhã recebíamos o cravo entre os muitos que se distribuíam na rua e cuidávamos dele até ao fim do dia. Lutávamos por ele, caso quisessem tirá-lo ou se caísse no chão com a confusão das tropelias. Nesse dia aconteciam muitos eventos organizados pela Junta de Freguesia ou pelas associações de moradores. Os torneios desportivos abriam a manhã e à tarde, em cima de palcos mais ou menos improvisados, ouvia-se cantar os sons da recente liberdade.

Lembro-me sobretudo das tintas que usávamos para pintar, até à exaustão, cravos em canos de espingardas. Era uma promiscuidade de cores que se misturavam em cima de pranchas enormes assentes em cavaletes de madeira. Pintávamos tudo! Borrávamo-nos uns aos outros na troca das cores. Digladiávamos tonalidades entre o perímetro das várias folhas, fazendo com que os desenhos se prolongassem e não respeitassem as margens do papel. Através desta luta acabávamos por construir um puzzle que se reconstruía à medida que os desenhos eram retirados e substituídos por novas folhas em branco. E quando estas acabavam saíamos da prancha de madeira e invadíamos as paredes híbridas do subúrbio.

1 Comments:

Blogger Sérgio Ribeiro said...

Bravo, puto!

11:39 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

Site Counter
Bpath Counter

fugaparaavitoria[arroba]gmail[ponto]com