segunda-feira, maio 15, 2006

Regionalização?

O nível de concentração populacional em torno das grandes cidades é um dos maiores problemas do mundo. Na era do capitalismo industrial as cidades foram parte da solução para o abandono dos campos, causado pela mecanização agrícola. Os camponeses procuraram as fábricas para trabalhar e mudaram de classe. Embora vivendo em bairros pobres e imundos os operários construíram a cidade industrial. Hoje, a cidade tornou-se um problema. O esvaziamento dos campos foi de tal ordem que se constituíram autênticos monstros urbanos quase ingovernáveis. Quer no mundo desenvolvido, quer nos países em vias disso, o crescimento urbano tornou-se avassalador.
Portugal não é excepção. Nestes últimos 30 anos, a cidade de Lisboa afogou-se por completo na muralha suburbana que a circunda. Não fora o Tejo e esta cidade perdia o ar e o encanto da sua luz. Enquanto no litoral a muralha se agigantou, no interior o mundo rural continuou rural, basicamente, porque não se desenvolveu e se despovoou brutalmente. As cidades médias, embora tivessem crescido, não geraram, salvo algumas excepções, a dinâmica suficiente capaz de inverter a desertificação dos campos e das aldeias envolventes.

O atrofiamento que se vive em mais de metade do país não deveria ser encarado como irreversível. No entanto, quando se observa que o próprio Estado é um agente catalizador dessa tendência regressiva, ao tomar medidas que afectam profundamente algumas localidades do interior, perde-se a esperança do país mudar. Num post anterior referi-me a três medidas que podem até fazer sentido para a resolução da situação financeira do país, mas perdem razão de ser quando impõem os mesmos critérios às cegas, independentemente do contexto local e regional. Os nossos políticos olham de cima para o país e vêem um pequeno rectângulo. E como têm brincado com este rectângulo nestas últimas décadas! As políticas têm mudado muito, mas todas padecem do mesmo autismo: são uniformes e concebidas para uma homogeneidade que não existe, nunca existiu.
Era importante começar a agir politicamente de modo diferenciado. Curiosamente, para este governo essa diferenciação só se justifica no caso das auto-estradas. O alcatrão é assim tão decisivo para o desenvolvimento regional? É por estas e por outras, que vale a pena voltar a debater a regionalização e os possíveis modelos de descentralização.

7 Comments:

Blogger Marco Neves said...

Olá a todos! Comentei este post em http://traduzido.blogspot.com/2006/05/elogio-das-cidades.html.

5:08 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Very pretty site! Keep working. thnx!
»

6:30 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Hmm I love the idea behind this website, very unique.
»

6:35 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Greets to the webmaster of this wonderful site. Keep working. Thank you.
»

7:00 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Great site lots of usefull infomation here.
»

12:38 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

I really enjoyed looking at your site, I found it very helpful indeed, keep up the good work.
»

4:24 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Great site lots of usefull infomation here.
»

5:35 da manhã  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

Site Counter
Bpath Counter

fugaparaavitoria[arroba]gmail[ponto]com