quinta-feira, julho 27, 2006

Onde habita o trovão -9

Alvoraçam-me essas casas que primeiro
se erguem dessa névoa de sulfato.
É numa dessas que mora dinamene,
a de insonoro caminhar, leve cântaro
à cabeça, ar de puma ou de gazela
bebendo pelo cachimbo do poente
a prata enegrecida das estrelas.

São adivinhas as marcas que deixam
os seus pés por essas veredas
que um estrépito de maromba agora cobre;
embora durmam ainda os pastores
nesses interiores mergulhados em fuligem.

Os lentes galos
salmodiando a oblíqua indecisão do azul,
espavoram ainda às horas de antigamente.
Mas de dinamene nem o eco minguante
do seu voo, embora nos cimos enevoados
avulte o derramado oiro dos cabelos.

Espantam-me ainda essas casas ardendo
pelo equinócio, seus muros de verde hera,
a névoa de muitos dias. É ao desabrigo
das álgidas madrugadas que a elas regresso,
quando a tenaz do desamor adeja sobre
os errantes rios do coração.
José Luís Tavares, Paraíso apagado por um trovão
(2.ª ed., Cidade da Praia, Spleen Edições, 2004 [or. 2003], p. 21)

3 Comments:

Anonymous Anónimo said...

Very nice site! » » »

9:56 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Keep up the good work teacher xxx movies the best plastic surgeons in greece User cathytreks web site promotion uk Free meridia cheap information information Minneapolis medical malpractice attorney

6:01 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

What a great site »

9:10 da tarde  

Enviar um comentário

Links to this post:

Criar uma hiperligação

<< Home

Site Counter
Bpath Counter

fugaparaavitoria[arroba]gmail[ponto]com